Categorias
Destaque

Desemprego se mantém em 11,6% em dezembro e ainda atinge 12,2 milhões

A taxa de desocupação ficou em 11,6% no trimestre encerrado em dezembro. Isso significa que ainda falta trabalho para 12,2 milhões de pessoas no país.

Após 8 quedas mensais consecutivas, o desemprego se manteve estável em relação ao registrado no trimestre encerrado em novembro. No trimestre anterior, de julho a setembro, a taxa era de 11,9%. Já no trimestre encerrado em dezembro de 2017, estava em 11,8%.

A taxa média anual recuou 0,4 ponto percentual no ano, de 12,7% em 2017 para 12,3% em 2018. Os dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) Contínua foram divulgados nesta 5ª feira (31.jan.2019) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Entre 2014 e 2018, o contingente médio de pessoas desocupadas passou de 6,7 milhões para 12,8 milhões, alta de 90,3%.

A população ocupada cresceu 0,4% em relação ao trimestre anterior e chegou a 93 milhões. Em relação ao mesmo período de 2017, a alta foi de 1%. Em 2018, houve alta de 1,3% na média do contingente ocupado em relação ao ano anterior.

INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO AVANÇA 

De acordo com os dados do IBGE, o aumento da população ocupada foi puxado pela informalidade. O número de pessoas trabalhando sem carteira assinada no trimestre encerrado em dezembro foi de 11,5 milhões. Houve estabilidade em relação ao trimestre anterior e alta de 3,8% em relação ao mesmo período de 2017.

O número de pessoas trabalhando por conta própria também cresceu. Foram registrados 23,8 milhões de trabalhadores nessa posição no período. A alta foi de 1,5% em relação ao trimestre anterior e de 2,8% no confronto anual.

Já o número de empregados no setor privado com carteira assinada ficou em 33 milhões, registrando estabilidade frente ao trimestre anterior e ao mesmo período do ano anterior. Nas médias anuais, houve queda de 10,1% de 2014 a 2018.

SUBUTILIZAÇÃO ATINGE 27 MILHÕES

A taxa de subutilização da força de trabalho ficou em 23,9% no trimestre encerrado em dezembro, o que representa 27 milhões de pessoas.

A população subutilizada ficou estável em relação ao trimestre anterior e ficou cresceu 2,1% em relação ao mesmo período do ano passado. A média anual de subutilizados passou de 15,5 milhões em 2014 para 27,4 milhões em 2018, alta de 76,8%.

A medida, mais ampla que a taxa de desocupação, abarca:

  • os desempregados (que procuraram emprego nos últimos 30 dias): 12,2 milhões;
  • os subocupados por insuficiência de horas (trabalham menos de 40 horas por semana): 6,9 milhões;
  • a força de trabalho potencial: 4,7 milhões de desalentados (que desistiram de procurar emprego) + 3,3 milhões que podem trabalhar, mas não têm disponibilidade.

O número de pessoas desalentadas apresentou forte alta em relação ao ano passado. O crescimento foi de 8,1% na comparação com o trimestre encerrado em dezembro de 2017. Em relação à média anual, houve aumento de 209,1% em 4 anos.

RENDIMENTO ESTÁVEL

A renda média real dos trabalhadores brasileiros ficou em R$ 2.254 no período. Houve estabilidade nas duas bases de comparação. A massa de rendimento real somou R$ 204,6 bilhões e também ficou estável nos 2 confrontos.

(Fonte: Poder 360)

Por Joildo Santos

Editor do Jornal Espaço do Povo