Casas Bahia em Paraisópolis

Rede varejista abre loja na 2ª maior favela de São Paulo. Caixa, Bradesco e Marabraz estão na fila
Marcos Burghi, marcos.burghi@grupoestado.com.br
As Casas Bahia inauguraram sua primeira unidade em uma favela paulistana. A rede escolheu a comunidade de Paraisópolis, na zona sul, como endereço da loja de número 90 na capital.
A nova unidade, aberta ontem, ocupa uma área de 2,2 mil metros quadrados e terá 52 funcionários, 27 recrutados entre moradores da própria comunidade, onde vivem cerca de 60 mil pessoas.

A empresa informou que a escolha “foi uma questão de oportunidade”. A rede encontrou um terreno com a documentação em ordem e adequado a seus padrões em relação a tamanho e localização. Ainda de acordo com a empresa, o fato de o local ter um grande fluxo de pessoas também pesou na decisão. Além disso, verificou que moradores locais já eram clientes em outras lojas da rede na zona sul.
É o caso da doméstica Leonice Lima, 48 anos. Cliente da rede há cerca de seis anos, costumava comprar nas lojas de Santo Amaro ou Pinheiros. Ela acredita que a chegada da rede a Paraisópolis vai melhorar as condições de emprego dos moradores. Para dar as boas-vindas, ela escolheu o dia de inauguração para trocar seu fogão.
A empresa tem previsão de um faturamento mensal de R$ 1,5 milhão. O valor equivale ao faturamento de unidades como a do Shopping SP Market, na zona sul, o que coloca a nova filial entre aquelas de porte médio para grande. “Serão vendidos os mesmos produtos que em qualquer outra loja”, confirmou um funcionário que preferiu não se identificar. As condições de pagamento oferecidas também serão as mesmas das demais unidades da rede.
Para a cozinheira Helen Iriani, 39 anos, a chegada das Casas Bahia a Paraisópolis vai melhorar a imagem do local. “As pessoas vão olhar para cá de forma diferente.” Cliente da rede há cinco anos, ela também comemora que não terá mais de se deslocar até a unidade de Santo Amaro para fazer compras.
O ajudante geral José de Jesus, 47 anos, é cliente da rede há 12 anos: “desde que cheguei a São Paulo”, diz. Ele aprovou a nova unidade. “Espero que traga mais emprego e dignidade para os moradores daqui”, afirmou.
Para Eugênio Foganholo, diretor da Mixxer Empresarial, empresa especializada em consultoria e pesquisa no varejo, a atitude das Casas Bahia leva a rede para mais perto de seu público principal. Segundo ele, também é positivo o fato de parte dos funcionários viverem na comunidade. “Vai reduzir o risco de inadimplência porque as pessoas se conhecem”, afirma.
Para João Whitaker, professor de Planejamento Urbano da Universidade de São Paulo (USP), ações como essa servem para integrar a comunidade à cidade. O comércio próximo também ganha, porque trabalhando formalmente a renda e as condições das pessoas melhoram, observa.

Novos pretendentes
Segundo Gilson Rodrigues, presidente da associação de moradores da comunidade, as Casas Bahia procuraram a associação em setembro, quando iniciou a montagem do novo ponto. “Ajudamos a selecionar o pessoal daqui que foi contratado pela loja”, diz.
Rodrigues afirma que, após a iniciativa das Casas Bahia, outras empresas manifestaram interesse em instalar-se na favela. Ele citou os bancos Bradesco, Caixa Econômica Federal e a rede de móveis Marabraz. Bradesco e Marabraz confirmaram que a hipótese está em estudo. Segundo Deise Dalmaso Marques, gerente regional de Canais da Caixa, a empresa vai instalar uma unidade lotérica no início do próximo ano. Entre os serviços estão a possibilidade de pagamento de contas, recebimento de seguro-desemprego e outros benefícios, além das tradicionais loterias. “Queremos estar mais próximos das pessoas que utilizam nossos serviços”, afirma.
RAIO-X
A favela de Paraisópolis é a segunda maior da capital, com 800 mil metros quadrados, o equivalente a 110 campos de futebol. A maior é Heliópolis
A comunidade conta com aproximadamente 60 mil habitantes
No local há três creches; uma escola municipal de educação
infantil (Emei); sete de ensino fundamental (Emef), três
administradas pela Prefeitura e quatro pelo Estado
O local também conta com uma unidade do Centro Educacional Unificado (CEU), além de duas unidades básicas de saúde
MORADORES APROVAM
‘Antes eu tinha de ir às lojas das Casas Bahia
de Pinheiros ou Santo Amaro, mas agora posso comprar aqui.”

LEONICE LIMA,
DOMÉSTICA
‘Com a loja aqui, o conceito sobre Paraisópolis vai mudar. Também devem surgir mais empregos.”
HELEN IRIANI,
COZINHEIRA
‘Sou cliente das Casas Bahia desde que cheguei a São Paulo,
há 12 anos. Achei boa a vinda dela para cá.”

JOSÉ DE JESUS,
AJUDANTE GERAL Fonte

Joildo Santos

Um comentário em “Casas Bahia em Paraisópolis

  1. Faz 20 anos que moro a dois quarteirões da Comunidade, estou acostumada a fazer algumas compras na comunidade como o gás de botijão e a encurtar caminho para pegar a Giovanni. Achei excelente a iniciativa das Casas Bahia pois espera-se abra caminho para outras grandes empresas que deverão não só gerar mais empregos senão atender melhor a região.
    Atenciosamente,
    Marisa Cruz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.