Yaron Peretz: “Crianças portadoras de síndrome de down ou autismo podem sim ser artistas”, durante oficina no CEU Paraisópolis

Em palestra realizada no CEU Paraisópolis, o artista Israelense, Yaron Peretz, falou sobre a importância da arte como forma de expressão para crianças autistas e portadoras de síndrome de down
Por Flaviane Fernandes
Hoje, em sintonia com o dia da Jornada Pedagógica, evento realizado pelas escolas da rede de ensino Municipal do Estado de São Paulo, o teatro do CEU Paraisópolis abriu as portas para receber o artista israelense Yaron Peretz.
Fruto de uma parceria entre a União dos Moradores e o consulado de Israel, o artista em algumas palavras que eram traduzidas por sua esposa Dayse Peretz, brasileira, explicou, demostrou e provocou a platéia, formada especialmente, por educadores, pedagogos e professores a interagirem com o universo dos portadores de necessidades especiais,autismo e síndrome de down.
Yaron trabalha em Israel com um grupo de 6 artistas com essas necessidades, de acordo com a sua experiência, essas crianças encontram no desenho uma maneira de transmitirem o que pensam, ou seja, é a linguagem que usam. E foi a semelhança entre os traços que eles fazem e os de grandes artistas que o levou a acreditar que eram sim capazes.
“O humor deles ocila muito”, explicou o artista, alertando a platéia de que é fundamental que a pessoa seja calma, se quiser trabalhar com esse público. O stress será transmitido para eles, por isso é necessário que o ambiente os acalmem. Em resposta a uma pergunta se ele usava música como instrumento de trabalho, ele foi preciso. “Eu mesmo canto”.
Ao contrário do que foi abordado por educadores presentes sobre a dificuldade que se tem em trabalhar com as famílias dessas crianças, Dayse disse que em Israel, os pais não tem vergonha dos seus filhos por serem portadores de algum tipo de necessidade. Diante disso, O assessor de imprensa do consulado israelense propôs uma oficina na qual Yaron interagiriam com as famílias; já os educadores presentes se comprometaram a darem continuidade no discurso através de uma rede de convivência na pagína do Facebook.
De acordo com Dayse, é a primeira vez que eles estão trabalhando com o projeto em comunidades, e que esperam bons resultados. Quando questionado a respeito dos que trabalham com crianças possuírem ou não o dom para lidar com portador de algum tipo de necessidade especial Yaron foi bem claro: “ Basta ter vontade”.
A riqueza do trabalho desenvolvido pelos artistas israelenses podia ser notada em alguns desenhos trazidos por Yaron , e, esses foram expostos em cima do palco para quem quisesse observar de perto, algo feito por poucos.
 

Joildo Santos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.