Sem ter para onde ir, vítimas de incêndio em Paraisópolis dormem em galpão a mais de 6 dias

Sem ter para onde ir, vítimas de incêndio em Paraisópolis dormem em galpão a mais de 6 dias

Após o incêndio em Paraisópolis na última terça-feira (31), cerca de 8 famílias, incluindo crianças e mulheres grávidas, estão dormindo no galpão, localizado no grotão, passando por frio e chuvas. De acordo com a Defesa Civil , 30 barracos foram atingidos pelo fogo. Mas há divergências quanto a este número pois foram cadastradas 42 pessoas no CAPE, que realizou o atendimento e distribuiu cobertores, cestas básicas e colchões.

Felizmente não houve mortes e nem feridos graves. Mas, até o momento, passadas quase 1 semana da tragédia, a Prefeitura de São Paulo ainda não se posicionou sobre qualquer tipo de iniciativa para definir o que será feito por essas pessoas. Enquanto aguardam uma ação do poder público, adultos, crianças e idosos estão alojados em casas de familiares e ao menos oito familias se amontoam no Centro Dia para Idosos Paraisópolis, um abrigo temporário que, ao que tudo indica, será sua única opção de teto por um longo período.

Vale lembrar que das 158 familias desabrigadas em 2016 após incendio de grandes proporções que afetou ao menos 400 moradorias também em Paraisópolis, apenas cerca de 50 receberam liberação do aluguel social pela Prefeitura de São Paulo. Dois anos se passaram, e mais de 100 fmílias ainda permanecem à espera de uma alternativa.

As famílias desabrigadas, aguardam um posicionamento da prefeitura de SP com relação a moradia.

Joildo Santos