Campanha 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência doméstica contra mulher

Na semana de 22 de novembro a 03 de dezembro de 2010, estaremos em Campanha de 16 Dias pelo Fim da Violência contra a Mulher, por meio do desenvolvimento de ações educativas e oficinas de sensibilização realizadas pelo Nucleo Social, Saúde e Materno Infantil.
A Campanha de 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher é um movimento internacional que conta com a participação de várias organizações internacionais que realizam manifestações públicas, articulando e mobilizando toda a sociedade na luta pelo fim da violência contra a mulher.
No Brasil, a campanha é realizada desde o ano de 2003. As ações são realizadas entre os dias 25 de novembro a 10 de dezembro, período que enfatiza as seguintes datas: 25/11 – Dia Internacional pela eliminação da violência contra mulher; 01/12 – Dia Mundial de combate a AIDS; 06/12 – Campanha do Laço Branco; e 10/12 – Dia Internacional dos Direitos Humanos. Importa destacar que em nosso país a campanha começa mais cedo, no dia 20 de novembro “Dia da Consciência Negra” para destacar a dupla discriminação sofrida pelas mulheres negras.
A violência contra mulher é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) uma questão de saúde pública, uma vez que a mulher em situação de violência apresenta perda significativa de auto-estima, dificuldade de proteger e ou cuidar de si e dos filhos, além de faltas, queda de motivação e produtividade no trabalho. Além disso, a violência contra mulher representa a causa de metade das mortes por assassinato de mulheres, ocorrências expressivas de problemas de saúde, depressão e tentativas de suicídio. Muitas mulheres que se encontra em situação de violência têm mais dificuldade em negociar a prática do sexo seguro, o que as coloca em situação de risco para a AIDS e outras DST’s.
A Secretaria de Políticas para Mulheres divulgou que foram registrados 62.301 relatos de violência na Central de Atendimento à Mulher no primeiro semestre de 2010. No balanço do semestre, o Estado de São Paulo lidera o ranking com 47107 atendimentos. Segundo essa mesma secretaria, o aumento das ligações não está necessariamente vinculado à maior incidência da violência – “Pode-se dizer que houve um aumento da visibilidade”. Dentre os dados que chamam mais a atenção – 57% das mulheres sofrem violência diariamente, 50% das mulheres disseram correr risco de morte, a maior parte dos agressores tem entre 20 e 45 anos (74,4%).
Apesar da ausência de dados oficiais sobre a violência contra a mulher em Paraisópolis, organizações e lideranças locais indicam que o fenômeno da violência doméstica faz-se presente no cotidiano da comunidade.
Observamos no cotidiano das nossas ações no PECP que o fenômeno da violência contra as mulheres, ainda é um algo presente que se apresenta de variadas formas.
Entendemos que além das ações e discussão de temas transversais como – relações de gênero, direitos sexuais e reprodutivos, família e direitos das mulheres – nos diversos programas, existe uma importância e necessidade de utilizar e celebrar esse período para nos posicionarmos contra a qualquer forma de violência, legitimando e reafirmando os nossos valores e princípios, utilizando o nosso espaço como criador de cultura pela não violência.
Realizar a Campanha reafirma o compromisso de realizar ações preventivas de educação em saúde, a mobilização para a defesa de direitos e a articulação de ações que ampliem as condições de cidadania da Comunidade.
Ações 2010
1. Ações Educativas nos diversos espaços e programas do PECP – de 22/11 a 03/12/2010
Rodas de conversas e discussão do tema
Divulgação e entrega de material educativo
2. Papo de família – destinado aos pais dos beneficiários do núcleo saúde – 25/11/2010 – das 15h às 16h30/ 18h às 19h30
Realização de atividade de sensibilização, mobilização e debate do tema com os pais participantes do núcleo saúde.
Realização
Núcleo Social, Psicologia e Materno Infantil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.