Grupo Roda de Choro, que toca o que a platéia pedir, inicia série Música no Burle Marx

Bandolim Elétrico, Bocca Chiusa, Diego Figueiredo, Duofel e Grupo Clarinetc são outras atrações da série que começa dia 14, às 11 horas, e vai até fevereiro de 2012, numa iniciativa da Fundação Aron Birmann, que administra o Parque Burle Marx; a curadoria e produção são da Divina Comédia, com apoio do Shopping Jardim Sul e da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário
Mesmo acostumado a tocar um repertório formado a partir dos pedidos do público, que espera que aconteçam também com a plateia do parque, o Roda de Choro preparou um seleção especial para a abertura da série, que acontecerá sempre no segundo domingo do mês. Na lista entram choros clássicos de Pixinguinha e Jacob do Bandolim e de autores emergentes como Ricardo Herz, Danilo Brito (inspirador da criação do grupo) e Alexandre Penezzi.
Música no Burle Marx vai até fevereiro, com uma pausa em janeiro apenas. Dia 09 de setembro, a atração é o grupo vocal feminino Bocca Chiusa, formado por integrantes do coral da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, com repertório de grandes nomes da MPB. Diego Figueiredo toca dia 09 de outubro; o Duofel, 13 de novembro; o Bandolim Elétrico, 11 de dezembro e o ClarinEtc encerra a primeira série dia 05 de fevereiro. A ideia é prosseguir com o evento em 2012.
“O Burle Marx sempre abrigou eventos de empresas e pessoas. Agora, chegou o momento do parque, através de sua fundação, proporcionar Cultura à cidade e à sociedade. A música vai tornar ainda mais agradável a caminhada e a visita aqui, potencializando momentos de felicidade nesse contato com a natureza”, diz Raquel Domingues, diretora da instituição. Ela destaca o papel da Divina Comédia ajudando a viabilizar a iniciativa.
“Música de qualidade sempre terá público na cidade, ainda mais num parque tão belo e bem conservado como o Burle Marx”, diz Sergio Ajzenberg, da Divina Comédia.
Formado por Leo Rodrigues (pandeiro), Luizinho Sete Cordas (violão de 7 cordas), Milton Mori (cavaquinho) e Alexandre Ribeiro (clarinete), o Roda de Choro nasceu na Virada Cultural de 2007, no Auditório Ibirapuera. Desde sua criação, já fez shows em diversos teatros e recebeu convidados como Nelson Ayres, Oswaldinho do Acordeon, Carlos Malta, Laércio de Freitas, Toninho Ferragutti, Ricardo Herz, Alessandro Penezzi e Gabriel Grossi.
Patrimônio preservado e seguro. Tombado pelo Condephaat, por ser um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica na área urbana de São Paulo – sua área é de 138 mil metros quadrados – O Parque Burle Marx é considerado patrimônio cultural de grande relevância para a cidade também por possuir jardim projetado pelo paisagista Roberto Burle Marx, que lhe empresta o nome. Inaugurado como jardim em 195O, a partir de 1995, quando foi transformado em parque, passou a ter diretrizes que o definem como lugar de lazer contemplativo. Foi considerado o melhor parque da cidade de São Paulo pelo Sindicato Nacional das empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco). Seu modelo de administração, diferente dos demais espaços públicos, busca oferecer aos frequentadores segurança num parque impecavelmente cuidado e preservado. Entidade de direito privado sem fins lucrativos, a Fundação Aron Birmann o administra de forma privada, com objetivos de aproximar a natureza das pessoas no cotidiano da São Paulo.
SERVIÇO
MÚSICA NO BURLE MARX
Atração de abertura da série: GRUPO RODA DE CHORO
Local: Parque Burle Marx (www.parqueburlemarx.com.br), Av. Dona Helena Pereira de Morais, 200
Quando: domingo, 14 de agosto, 11h
CENSURA LIVRE
GRÁTIS
Estacionamento: R$ 8,00

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.