Time de atores surpreende e vence no campo do Palmeirinha em Paraisópolis

O jogo que marcou o lançamento do projeto um Passe Para Educação foi vencido pelo time de atores
Por Flaviane Fernandes
Os céus deram uma trégua, e a chuva que caiu durante a noite parou para que o time de atores formado por Marcos Pasquim, Guilherme Boury, Fábio Villa Verde, Carlos Machado, Luigi Baricelli, Tiago Martins e Ricky Tavares, entrasse hoje no Campo do Palmeirinha em Paraisópolis, para jogar contra o time misto da casa, composto por alguns garotos, entre eles estava Vinícius Trindade de 14 anos, meio campo, que falou da sua expectativa para o jogo. “Queremos fazer um monte gols”, disse.
“É bom participar de eventos assim, pois é nessa hora que olhamos para o outro”, comentou Luigi Baricelli. O ator explicou que não é sempre que fazemos isso, segundo ele, olhar o outro é uma questão de exercício.
Marcos Pasquim estava com medo de perder de goleada, quando soube que do outro lado havia muitos garotos loucos para fazer gols, ele disse: “Eles vão acabar com a gente”. No entanto, a sua modéstia contribuiu, o time de atores mostrou que também sabe jogar bola e de maneira surpreendente venceu o jogo por 7 a 5. Com esse resultado, eles conquistaram o troféu feito por Berbela, artista da comunidade.
O evento marcou o lançamento do projeto Um Passe Para a Educação realizado pelo Instituto por Mais Alguém com o apoio da União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis e patrocínio das empresas Riachuelo, Duratex e Tim.
“A realização desse jogo com o Futebol dos Atores marca uma nova fase do campo do Palmeirinha. Um novo campo para uma Nova Paraisópolis, bonito, reformado do jeito que a comunidade precisa e merece, e ainda vai conquistar mais coisas”, disse Gilson Rodrigues, líder comunitário de Paraisópolis.
Ana Rosa Enriquez que coordena o projeto fez algumas observações. Entre elas explicou que o esporte fará o papel de uma alavanca, pois um dos objetivos é levar educação e oferecer palestras para os familiares, além disso, os pais poderão ter conversas com psicólogos.
“Paraisópolis ficou pequena para nós”, disse Camila Zoé, ao explicar a participação da Tim em projetos na comunidade. Ela aproveitou para falar que Paraisópolis deixou de ser uma comunidade para se tornar em um bairro, onde muitas transformações estão ocorrendo.
[nggallery id=30]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

https://layar.iium.edu.my/wp-content/uploads/